Ferrugem

Deixei contigo as chaves de casa

E você me devolveu enferrujadas

Completamente inutilizáveis

Talvez pra me mostrar, aqui fora, segurando na mão

A ferrugem do meu coração

Rima boba, metonímia da desesperança

Despedaça

A ferrugem entre os dedos quando deslizo a chave nas mãos

Te pedi cuidado,

Mas você deixou a porta aberta

E o coração fugiu, ou talvez só engastalhou na porta

Dizem por aí que não tenho mais coração

Mas ele só tá enferrujado

Pode ser que um dia, venha o cavalheiro da armadura brilhante

Com o óleo de cozinha em punho

Pra desenferrujar este coração doente

Que nada sente

Rima boba de novo no verso

No centro (ou, quem sabe, no avesso?)

Do coração enferrujado

Talvez o cavalheiro seja só o Homem de Lata

Que ganha um coração novinho em folha no final

O meu, coitadinho, agoniza

Porque você o deixou abandonado no tempo, pegando ferrugem

Aí ele parou de bater no tempo do amor

Tem hora que o real da metonímia é maior do que a rima

Aí fico aqui, brincando de prosear nas escansões do verso sem métrica

Coitado do verso! Tá que nem o coração: não sabe mais bater no ritmo

Talvez a vida seja este desalinho e este descompasso

Mesmo que de vez em quando

A gente cisme de brincar de rimar com algo ou alguém

Brinquei de rimar contigo, mas a métrica não bateu

Aí preciso ir ali no chaveiro pra abrir a minha porta

Porque você enferrujou as minhas chaves e nem me avisou

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: