Seca

É o peito que desafina

Sem métrica nem rima

E dói

Na vitrola o disco arranha:

“Nunca mais serei amada”

Encontros desencontrados

Como ondas no rasinho

Chegam muito perto

Lambem os pés, às vezes

Mas logo se vão

Esturricando na areia

Deliro

Entre possibilidades e promessas

Tenho sede na aridez inóspita

Implacável

Gotas de suor ostensivamente arrancadas

Imploro

O choro se desmancha instantaneamente

Na secura afetiva dos dias

Vertigem

De tanto não ser enxergada

Desapareço

(E ninguém nem nota)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: