Archive for outubro, 2010

Resposta aos SPAMS

Bom, gente, este é o último post antes das eleições (YAY!). Logo no início do primeiro turno, recebi um e-mail anti-Lula e respondi. Acho que a lista de perguntas que recebi e o que respondi ilustra claramente os posicionamentos de quem é de direita e de quem é de esquerda. Vale dizer que, no segundo turno, recebi um e-mail daqueles ultra baixo nível e um outro apenas comparando uma foto da Dilma com a Noiva de Chucky (patético, diz aí). Como respondi a todos, parei de receber esses spams, graças a dada. Mas aí vão as mensagens. Vale a pena ler e refletir sobre os diferentes posicionamentos… Ah, vale lembrar que as perguntas foram sugeridas pelo TIO REI (é engraçado, eu sei…)

Se esta mensagem circular de maneira vigorosa, o Jornal Nacional vai ter queenfrentar o Lula e perguntar aquilo que todos nós queremos saber.

Queremos que Bonner e Fátima façam as perguntas a Lula que o ReinaldoAzevedo sugere para a entrevista do Jornal Nacional:

1) O senhor prometeu criar 10 milhões de empregos e chegará ao fim domandato criando quatro milhões. Neste tempo, a renda da classe média caiu, e os empregos gerados se concentram na faixa de até 2 salários mínimos. A chamada distribuição de renda do seu governo não se faz à custa do empobrecimento dos menos pobres?

2) O Senhor disse que banqueiro lucra no seu governo e, por isso, não precisa de Proer. O Senhor sabe quantos Proers o Brasil paga por ano para sustentar os juros reais mais altos do mundo?

3) O seu filho, até bem pouco tempo antes de o Senhor assumir a Presidência, era monitor de Jardim Zoológico e, hoje, já é um empresário que a gente poderia classificar de milionário. O Senhor não acha uma ascensão muito rápida?

4) Genoino sabia do mensalão. Silvio Pereira sabia do mensalão. Dirceu sabia do mensalão. Ministros foram avisados do mensalão. Só o senhor, da cúpula, não saberia. O senhor não acha que, nesse caso, não saber é tão grave quanto saber? E se houver mais irregularidades feitas por amigos seus que o senhor ignore?

5) Presidente, na sua gestão, as invasões de terra triplicaram, caiu o número de assentamentos e mais do que dobrou o número de mortos no campo. Como o senhor defende a sua política de reforma agrária?

6) O senhor não tem vergonha de subir em palanque onde estão mensaleiros e sanguessugas?

7) Presidente, em 2002, o Brasil exportava a metade do que exporta hoje, e o risco país era sete ou oito vezes maior. O país pagava 11% de juros reais. Hoje, continuamos a pagar mais de 10%. Como o senhor explica isso?

8) Em 2002, o governo FHC que o Senhor tanto critica repassou para São Paulo, na área de segurança, R$ 223,2 milhões. Em 2005, o seu governo repassou apenas R$ 29,6 milhões. Só o seu avião custou R$ 125 milhões. Não é muito pouco o que foi dado ao Estado que tem 40% da população carcerária do país?

9) Quando o Senhor assumiu, o agro negócio respondia por mais de 60% do superávit comercial. Quase quatro anos depois, o setor está quebrado, devendo R$ 50 bilhões. O Senhor não acha que o seu governo foi um desastre na área?

 

Minhas respostas:

1) O Reinaldo Azevedo é o cara mais reacionário que já vi em toda a minha vida! E hipócrita pq não se assume como sendo de direita.

2) O Jornal Nacional deveria se chamar Piada Nacional, pois é outro veículo de direita que se diz neutro. Quam ainda acredita nisso, basta comparar a agressividade de Bonner na entrevista de Dilma e de Serra no JN.

3) O mensalão é vergonhoso, mas não venham me dizer que o PSDB não é corrupto. Quem se lembra do escândalo dos sanguessugas e das ambulâncias, por exemplo? Talvez ninguém. Simplesmente porque varreram a poeira pra debaixo do tapete. AH, sem contar o MENSALÃO DO DEM, principla aliado do PSDB!

4) Esse papo do “Aerolula” vem desde a época do Alckmin que, na ABSOLUTA FALTA do que falar nos debates de 2006, vinha falar de “Aerolula”. De bolsa-família e de pagamento da dívida externa o PSDB não fala, né?

Nossa, que milagre um e-mail de direita não incluir em sua lista de clichês a “Dilma terrorista”!

E tem mais:

5) Por que será que Serra tem TANTO PAVOR falar do passado e NUNCA menciona o FHC? O engraçado é que ele menciona ter ido ministro da saúde, mas JAMAIS menciona o governo de que fez parte.

6) Se o PSDB é tão legal assim, por que é tão proibido “olhar no retrovisor” e comparar dois partidos que governaram o Brasil por um igual período de tempo?

7) Por que os  candidatos a deputado e senador do PSDB e coligações nunca colocam a foto do Serra no fundo (aqui em Minas, constam apenas as fotos de Itamar e Aécio), se ele pode ser um presidente tão bacana? (Agora experimente comparar com a propaganda do PT e coligações…)

8) E pra fechar: por que será que o governo Lula tem 80% de aprovação? (Não me venha com a velha respostinha de direita de que o povo é burro: 80% não inclui só pobres -que é quem a direita chama de “povo”).

Por favor, pessoas de direita, parem com essa mania de votar em (e atacar, inclusive) PESSOAS. Quem tem um mínimo de consciência política, vota em PARTIDOS! E se nem o Serra quer comparar o que PT e PSDB fizeram em 8 anos de presidência, vocês se arriscam?

Bom, só pra ficar no básico, porque e-mails sobre noiva de Chucky e aborto eu prefiro nem postar aqui no blog. Ah, pra esclarecer posicionamentos, vale DEMAIS ver a série Voto Serra Pq [clique em cada uma das três palavras para acesar os três vídeos], disponibilizada no Youtube

Deixe um comentário

Contagem regressiva!

Ando absolutamente sem tempo, mas acompanhando sempre os blogs e os meios tradicionais pra saber das eleições. Queria muito fazer um post sobre o episódio da bolinha, mas a Lola já disse o que eu queria dizer aqui e aqui (vale a pena ver todos os vídeos!). Eu confesso que o desespero do PSDB me garantiu boas gargalhadas durante uns dois dias. A campanha suja deixou de ser preocupante e passou a ser apenas pífia. Li agora no Escrivinhador uma carta linda ao Noblat, que resume muito do que eu sinto sobre o Lula e do que eu acho sobre os preconceitos que giram em torno dele, e mesmo da Dilma. Deixo a vocês duas leituras divertidas e uma leitura linda e emocionante!

 

UPDATE: Acabei de ler um texto superesclarecedor, que compara as estratégias de Serra às estratégias da direita cristã norte-americana. Em suma, Serra é o nosso “George Bush Tupiniquim”. Vale a pena ler também!

Deixe um comentário

Porque votar na continuidade

Recebi por e-mail um panfleto simples, direto e superinstrutivo, comparando os governos do PT e do PSDB. Campanha limpa é assim: em vez de brincar com os direitos humanos dos outros , apoia-se em fatos.

 

Comments (4)

Porque não votar no Serra

Desculpem-me, amigos reaças, meu blog tá um saco pra vocês. Alguns de vocês me pediram pra falar das minha experiências aqui na Suíça,  em vez de ficar “defendendo a terrorista” mas não consigo evitar o assunto “eleições” (já tá acabando! hehehe). Como estou absolutamente sem tempo para postar, vou reproduzir aqui umaentrevista da Marilena Chauí, que vi postada no Azenha e no PHA. Vale a pena, pois ela aborda pontos-chave da democracia e do que a política partidária do PSDB e mesmo ações do próprio Serra colocam em ameaça a nossa democracia:

 

 

Deixe um comentário

Só dá Lula!

(O post ficou gigante, mas vale a pena ler…)

Terça-feira, a dona da casa onde moro veio me dizer que viu três noticiários televisivos e dois jornais impressos falarem sobre as políticas desenvolvidas no governo Lula. Ela comprou o “Le Monde” e pude ler a reportagem (de uma página inteira) na íntegra.  Assim que ela me der o jornal, escanearei a reportagem e farei um update no post , pois, para acessar a reportagem online, é necessário pagar.

Bom, vamos aos pontos altos da reportagem: no primeiro parágrafo, a frase “Dilma Roussef, que o [ao Lula] sucederá em janeiro de 2011…” chama bastante a atenção, pois o jornal já dá a vitória de Dilma como certa, o que me parece bastante realista e um tanto quanto distante do que afirma a imprensa brasileira, que anda fazendo ataques histéricos contra Dilma para forçar um segundo turno…

O segundo parágrafo abre com uma frase de efeito: “Em relação ao plano econômico,  onde não se esperava, ele  é excelente”. O autor fornece inúmeros exemplos de melhora no plano econômico. Citarei resumidamente alguns exemplos. Antes de falar deles, o autor faz uma afirmação que convém destacar:  “Tendo e vista os indicadores, Lula, no conjunto, conseguiu melhores resultados [a réussi mieux] que seu predecessor, FHC”. Bom, isso, nós de esquerda já sabemos. O Serra também sabe, por isso fica nessa chatura de “não vamos olhar pro retovisor”, etc, etc. É que o retrovisor revela o óbvio: 8 anos de governo Lula são incomparavalemente melhores que 8 anos de governo FHC, em termos econômicos e sociais. Basta olhar a tabelinha comparativa fornecida pelo “Le Monde” (e que pretendo colocar aqui assim que escanear a reportagem):

FHC LULA
PIB 2,3 3,4
PIB/HABITANT 0,7 2,7
INFLATION 14,9 6,6

Para mim, o que o autor cita de mais importante é o fato de o Brasil ter se tornado um país de classes médias, pois isso implica outros fatores citados na reportagem: o aumento do salário mínimo (“que passou de 200 reais em 2002 a 510 reais em 2010), o que gera o aumento do poder de compra: “De fato, pela primeira vez em sua história [ó só, não é só o Lula que fala essa frase tããão criticada pelas elites], o Brasil tornou-se um país de classes médias (a classe C de renda), que passa de 30, 9% da população em 1993 a 42,3% da população em 2004 e 51,9% em 2008. Essa mutação social é considerável para os milhões de brasileiros que podem consumir, até mesmo poupar, ou, ainda, entrar na economia formal, graças a um contrato de trabalho. Círculo virtuoso [Não, não é “círculo vicioso”, fiz questão de conferir], a redução da pobreza dinamiza, de maneira ainda melhor [d’autant mieux] que a conjuntura mundial era detentora.

Tudo isso, segundo o autor, está atrelado ao que o autor chama de “políticas de estabilidade macroeconômica”: o PAC e o Bolsa Família. Diferentemente do que faz a imprensa brasileira, comandada pelas elites, o autor ELOGIA os programas e, em momento algum, diz que são “esmolas”, “que servem pra deixar os pobres acomodados”. Nada disso:  “Desde  educar seus filhos a garantir a sua assistência médica, as famílias mais pobres recebem entre 20 e 182 reais por mês” . Parece que um jornal francês entende mais o objetivo do Bolsa Família do que os jornais brasileiros… Triste isso…  Após apresentar dados numéricos significativos, o autor prossegue: “O Programa Bolsa Família produz resultados admiráveis. O Brasil vê seus níveis de pobreza e de desigualdade diminuírem simultaneamente. A pobreza, que atingia 40% da população entre 1988 e 1993, começou a diminuir com Cardoso (35%). Com Lula, ela cai a 23% em 2008.

O autor também faz afirmações sobre a estabilidade econômica brasileira: “A estabilidade monetária e a aceleração das trocas comerciais permitiram ao Brasil  acumular reservas que representam hoje  treze meses de importação”. Impressionante, não? O autor continua: “Diferentemente do decênio precedente, o Brasil  não precisa mais temer as turbulências financeiras internacionais”.

Mas nem tudo são só elogios: o autor também critica a infeliz política do mensalão e o “pragmatismo do PT” [no início da reportagem,  o autor cita o fato de Lula ter apresentado um discurso mais moderado em 2002]. O autor ressalta que Lula conseguiu estabelecer laços fortes com seu eleitorado e se reelegeu sem dificuldade em 2006. Mas faz um alerta que considero importantíssimo, que diz respeito às concessões sórdidas que a que o PT teve que se submeter:  “Mas após esse escândalo [do mensalão], Lula teve que se submeter a jogos de negociação mais clássicos para governar. Ele se aproximou de caciques que ele havia combatido no passado e o governo se torna cada vez mais [de plus em plus] dependente do PMDB [ATENÇÃO PARA A INCRÍVEL COERÊNCIA DA DESCRIÇÃO DO PARTIDO. E digo isso sem um  pingo de ironia], um partido desprovido de qualquer coerência ideológica, mas central no jogo das alianças. [UAU!!! Por que não lemos um resumo tão lúcido do PMDB num jornal de grande circulação brasileiro????]. Quanto à reforma política, os resultados [bilan] de Lula são, portanto, decepcionantes”.  Bravo de novo: as alianças sórdidas e não realização da reforma política (e também da reforma tribitária) são justamente meu “calcanhar de Aquiles” com o governo Lula.

O autor fala, ainda, de acordos internacionais, do fortalecimento do Mercosul e de outras questões econômicas que não me interessam muito de perto, por isso, vou pular pro fim da reportagem, onde o autor volta a falar de Lula e finaliza falando de Dilma: “Se Lula soube fazer frutificar certos elementos da soberania [puissance] brasileira, seu objetivo/resultado [bilan] não é suficiente para explicar sua incrível popularidade: ele soube cultivar durante seus dois mandatos a imagem de um homem político próximo do povo, que conhece os problemas e necessidades de seus concidadãos. Primeiro presidente do Brasil não vindo da elite econômica ou política, ele foi capaz de se fazer com base numa trajetória política fora dos padrões (…). Mas sua política de conciliação o tornou popular entre todas as categorias da população, notadamente o patronato e as classes abastadas [aiseés]. Justa recompensa, quando se sabe que as empresas brasileiras floresceram e que o número de milionários explodiu entre 2003 e 2010…”

O autor comenta, então, sobre a capacidade oratória de Lula [pasmem: ele não fica falando que Lula “fala errado” ou “comete gafes terríveis”, ó só!]: “A supervalorização dos objetivos [bilan] de Lula (sobretudo fora do Brasil [algo me diz que tem a ver com os nosso veículos de comunicação de massa…]) está muito ligada à sua equação pessoal, à relação empática, quase carnal, que ele estabelece com seus interlocutores (sejam eles os deserdados ou os poderosos do mundo).  [ou, sério que me emocionei nesta parte]. Sua popularidade é também fruto de um enorme trabalho de comunicação política. É por isso que, mesmo diante de fortes escândalos, ou quando multiplica as gafes, nada afeta sua popularidade [notem o seguinte: a popularidade e o carisma são mais importantes que as gafes. Eu, pessoalmente, admiro as “gafes”. Para mim, mais do que gafes, as falas espontâneas  –e “descabidas”, num contexto formal – simbolizam um homem que é verddadeiramente de origem popular]. Lula resiste à erosão política. Ele será tido como o primeiro “presidente Teflon” do Brasil.

Por fim, o autor tece considerações sobre Dilma: “Dilma Rousseff está engajada em continuar as ações de Lula que ela encabeça [pilote à la tetê] desde 2005 [Pois é gente, parece que escolhe a Dilma não foi bem uma falta de opção, se é que vocês me entendem…] Mas se esta sucessão parece tranqüila e natural, ela terá uma herança dura para carregar: gerir as contradições da era Lula e continuar a política de equilíbrios macroeconômicos e sociais”.

A reportagem é finalizada com uma frase que me emocionou: “O slogan ‘Dilma é Lula’, martelada durante a campanha eleitoral, provoca expectativas fortes: as de consolidar a trajetória ascendente do Brasil e de fazer desse país emergente o “país do futuro” profetizado por Stephan Zweig desde 1941”.

Sinceramente? Pra mim, quem não gosta de Dilma, é quem não gosta do Brasil… E que venha a nova era PT!!!

Comments (7)