BH-7Lagoas, a saga

Essa foi daquelas bizarrices que me acontecem cotidianamente (e com tal freqüência, que justificam o nome do blog…). Tinha um compromisso na PUC e precisava vir de 7 Lagoas pra BH. Como estava com pressa, tive a brilhante idéia de pegar aqueles “táxis falsificados” que ficam parados na porta da rodoviária (aqueles que os caras ficam gritando LOUCAMENTE o nome da cidade). Pois bem: depois de quase ter uma ataque cardíaco ao entrar num carro (quase literalmente) caindo aos pedaços, eis que, chegando no CEASA, o pneu do carro fura! O cara encosta desesperado numa curva mortífera e ficamos todos nós esperando que ele trocasse o pneu no acostamento mortífero. Até que não demorou muito, mas meu tempo já estava serimante comprometido depois do “incidente”. Não se passaram 5 min e o ESTEPE TAMBÉM FUROU! O cara ficou se justificando, dizendo que os pneus dele não estavam carecas; que furaram devido ao calor (hohoho…). Nessa hora, o meu mau humor, que estava no nível 7 depois o primeiro pneu furado, subiu para muito além de 10. Eu achei que o cara ia ligar para alguém ir nos buscar, mas, para minha surpresa, ele disse: “Tem um ponto de ônibus ali na frente…” Eu não tinha a mais pálida idéia de que ônibus pegar… E, para minha total estupefação, o cara completou: “Vocês podem me dar SÓ 5 reais.” Eu me recusei, mas os outros passageiros retardados deram a grana, aí o cara veio, indignado:  “A passagem é 11,50, e eu tô te cobrando só 5!” Eu só torci a cara e apontei pro pneu furado. Aí o cara, indignado: “Pois é, mas… né?!” [Tradução minha: “Foi um acidente e eu não tive culpa, sua idiota!”] Ao que eu respondi: “Pois é, mas… né?!” [Tradução minha: “Seu tosco, você arriscou a vida de 4 pessoas, deixou-as completamente na mão e ainda quer receber?!”] Acabei dando a grana pra não criar confusão. No fim das contas, dei sinal pra uma van qualquer que, por sorte, parava na Gameleira. Cheguei bastante atrasada (essa foi a famosa economia de tempo porca…), mas consegui assistir a muitos seminários ainda, uma vez que, obviamente, houve problemas tecnológicos e tudo também atrasou. No último seminário, vi que estava por um triz para desabar um temporal e tive a brilhante idéia de ir embora antes da chuva, que estava por um triz, cair. Não deu outra: encharquei completamente. Cheguei em casa louca por um banho e… adivinha? Estava sem luz na rua. Me sequei com uma toalha mesmo e fui comprar algo para comer. Confesso que achei divertido comprar pão à luz de velas. Dormi cerca de umas três horas e, quando acordei, já tinha energia elétrica de novo. Ô, diazinho bizarro!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: